Escritor e Poeta Jean C. de Andrade

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Ser Inteligente é diferente de ser Culto:


Toda a pessoa tem pelo menos três qualidades.

Ou ela é inteligente, ou é sábia, ou é culta, por muita sorte ela se enquadra nas três categorias.

Eu queria dizer que se uma pessoa é  inteligente, não significa que ela  tenha cultura.

A  Inteligência é  um esforço aliado com a facilidade de aprender. Já a  Cultura, é a presença de um conhecimento expansivo.

Ex:  Sobre lugares, sobre livros, sobre pessoas importantes, e geralmente a pessoa que tem cultura, sabe conversar e sabe  como  se expressar .

Também temos o exemplo da pessoa sábia. Aquela que  simplesmente leva  a vida, sabe onde deve ir, onde deve estar, sabe como agem  as demais pessoas, não se acha superior somente porque tem mais conhecimento.

 O sábio tem a convicção de  que todas as pessoas devem ser tratadas com respeito.

Por isso eu afirmei e afirmo que a Cultura é diferente da  inteligência.

São valores que se completam, mas estudar e adquirir conhecimento não o caracteriza uma pessoa culta e, o sábio também sabe disso, afinal, pessoas cultas são pessoas agradáveis, os inteligentes são admiráveis, mas o legal é quando se há fusão entre as duas partes, melhor ainda, das três ( Ser Sábio, Ter Inteligência e Cultura).


sexta-feira, 12 de junho de 2015

QUESTÕES EQUIVOCADAS SOBRE RELIGIÃO

Estou observando uma questão bem equivocada por parte de pessoas que em prol de uma ideologia vêm agredindo a religião. O  fato  se dá pelo seu comportamento ser parecido justamente com o dos alvos de suas críticas, as religiões, pois há até "depoimentos de conversão", e suas constantes demonstrações, não de quererem um tratamento igual ao dos religiosos, mas sim sua tentativa constante de colocar a religião como algo irregular e inoportuno á convivência. Como estão enganados, são de conhecimento histórico e  reais tantas distorções teológicas e filosóficas.

“Como que pode existir uma religião no mundo? Pessoas que não nos aceitam, não nos querem aqui, pessoas que ditam o que é certo e errado”... “Somos oprimidos pelos cristãos malvados".

A primeira vulnerabilidade deste movimento aparentemente existente nas redes sociais, é que ela não "verbaliza" o sujeito "Religião". Explico: ao colocar apenas "Religião" na função de único sujeito, estamos colocando todos os religiosos dentro de um só contexto, estamos assim condenando todos sem distinção, estamos reduzindo á todos como   cruéis inquisitores.   Não se pode usar o passado para se justificar o presente, mesmo porque a Igreja já errou muito, mas declarar que a  religião  seja algo ruim, é no mínimo falta de conhecimento e estudo. Alguém mais perspicaz poderia até  fazer uma objeção, mas continuarei afirmando a posição de que a Igreja é Santa e pecadora, santa por ser de origem Divina e, pecadora por ser constituída pelos homens.

Se eu pratico  os princípios da fé cristã, mesmo sem me declarar um crente, quem observar de fora pensará que tenho sim uma religião.

Estamos em um mundo democrático, declarar que a religião é um erro, faz parte da liberdade de cada um, defende-la também faz parte da minha liberdade.  Qualquer um pode "ter" a religião que quiser, pode até não ter nenhuma, faz parte das escolhas.
Se declarar um religioso não o torna o melhor ser humano do mundo, não quer dizer que por ser religioso  você possui um bom caráter. 

Isto vem de cada um, de sua criação, de sua índole, aliás, pode-se até interpretar essa "religiosidade da boca para fora", como um sinal de mau-caráter. Bons e sérios  religiosos pregam o seguinte; "Não é Deus que deve te servir, mas sim você que deve servir a Deus". A Igreja não tem que se adequar ás suas vontades, mas você que deve se adequar á Igreja. Isto é milenar.

A religião tem um extenso código moral a ser cumprido. Assim, quando este código é cumprido com suas permissões e restrições, haverá sim um caráter definido, justamente pela religião.

Enfim, o que acontece é que, na ânsia de atingir as massas, alguns  movimentos fazem seus slogans equivocadamente,  na pressa e com a preocupação de um direcionamento cruel á líderes religiosos e a própria religião.

O detalhe é o seguinte,  "para bom entendedor, um pingo é letra/meia palavra basta",  devemos, quando formadores de opinião ou representantes de alguma causa ou denominação religiosa, sempre lembrar de que há maus entendedores, ou seja, aqueles que só vão no embalo das palavras, sem conhecimento algum, o que é a coisa mais normal do mundo.

Portanto, amigos entendedores, não "afrontemos" uns aos outros, não critiquemos a religião, apenas para afrontar aquele á quem não gostamos, ou não entendemos, são pessoas, e são falhas. 

O que não pode, é a generalização, todos são ruins ou todos são bons, não existe meio termo, não estão todos dentro de um mesmo contexto.

O religioso não pode sair julgando e atacando, do mesmo modo que outra denominação contrária também não o pode fazer. Se assim o for, assistiremos uma briga ideológica  interminável e, isto não será bom para nenhum dos lados!


(Jean C. de Andrade Poeta e Escritor)



quinta-feira, 11 de junho de 2015

O que é Preconceito?

Preconceito:

Preconceito é um juízo pré-concebido, que se manifesta numa atitude discriminatória, perante pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento. É uma ideia formada antecipadamente e que não tem fundamento sério.

O preconceito pode acontecer de uma forma banal, até um pensamento, por exemplo: que feio, que gorda, que magro, como é burro este negrão. Há um sentimento de impotência quando se pretende mudar alguém com forte preconceito.

O preconceito é resultado das frustrações das pessoas que podem até se transformar em raiva ou hostilidade. Muitas vezes pessoas que são exploradas, oprimidas, “mal amadas” não podem manifestar sua raiva com o opressor, então deslocam sua hostilidade para outros que consideram inferiores resultando aí a discriminação e o preconceito.

O preconceito pode ser fruto de uma personalidade intolerante, porque são geralmente autoritários e acreditam nas normas do respeito máximo à tradição, e são hostis com aqueles que desafiam as regras estabelecidas.

Existem diferentes manifestações e tipos de preconceito, sendo as suas formas mais comuns o preconceito social, racial (racismo) e sexual ( sexismo ou homofobia). Nas características comuns a grupos, atitudes preconceituosas são aquelas que partem para o campo da agressividade ou da discriminação. O preconceito faz parte do domínio da crença por tem uma base irracional, não do conhecimento que é fundamentado no argumento ou no raciocínio.

Existe também o preconceito linguístico, que consiste numa discriminação sem fundamento contra variedades linguísticas. Esse preconceito é também um preconceito social, e tem como alvo pessoas que falam de forma diferente devido a algum motivo histórico. Marcos Bagno, professor, linguista e escritor brasileiro escreveu a respeito do preconceito linguístico, desconstruindo oito mitos relacionados com a cultura brasileira e com a língua falada no Brasil.

Também é possível identificar o preconceito religioso, onde um indivíduo é discriminado pela sua prática religiosa. Por exemplo: Num aeroporto, muitas pessoas ficam nervosas se vêem alguém e assumem que esse indivíduo é muçulmano, pois partem do princípio que todos os muçulmanos são extremistas/bombistas.

Algumas pessoas também são discriminadas dependendo do local onde nasceram. No Brasil, por exemplo, muitos nordestinos são discriminados por causa do preconceito que está arraigado na sociedade.

Fonte:

terça-feira, 9 de junho de 2015

Um Tiro no pé e um passo atrás para a causa LGBT

Movimentos LGBT:


Concordo em parte, quando se trata de um diálogo respeitoso. Veja bem, o intuito da mensagem exposta, talvez seja relevante e apoio no seu íntimo. Mas o que acontece atualmente vai além de uma simples comparação entre religião e religiosos. 

Não devemos comparar o nosso sofrimento atual ou o sofrimento da causa LGBT ao sofrimento de Cristo, o escárnio citado, nada tem á ver, isto passa longe. Do ponto de vista imediato, colocando a imagem de Cristo nesta discussão, faz cair por terra toda forma de compreensão. Ela é divulgada em forma de afronte á religião e á religiosos, isto se torna briga de ideologias, algo que em nada contribui para a aceitação das ideias. 

A primeira vista aparecem os dizeres: O que Cristo tem a ver com isto? Ele já deixou a sua mensagem e é sobre o amor! O erro de muitos simpatizantes é este, não podemos generalizar. São alguns e outros tantos que se deixam levar pela empolgação de momento. Deus veio para todos, não estão excluídos este ou aquele somente por posição sexual, credo ou raça. A Luta é para que a homofobia acabe, mas também toda forma de violência humana. 

Muita coisa está envolvida.O simbolismo da cruz pode até ser de  fato, mais antigo que o próprio Cristo, mas o fato do Cristo morrer desta forma, fez com que o símbolo se tornasse gigantesco e respeitado por bilhões. O Cristo nada mais é, queira ou não, o próprio  filho de Deus que se tornou humano. Uma pessoa que dividiu o tempo. A Igreja Católica não ataca , ela acolhe, ela também erra, mas reconhece e recomeça. 

Queremos simplesmente o respeito alheio, pois se assim não o for, acabaremos vivendo em um mundo sem regras e sem lei. Devemos apoiar  toda manifestação que inclui aceitação do bem comum, do amor, do carinho... 

Devemos apoiar também  a exclusão de tudo que significa a presença do mau entre nós. Aos simpatizantes desta causa,  eu apoio, desde que respeitem a individualidade do próximo e a crença alheia. A falta de respeito está no afronte, na incitação, no deboche, na exposição de uma imagem religiosa, mas não só por isso, na exposição que remete á lembrança de um ser que existiu e que sofreu realmente na pele as maiores dores que um ser humano pode suportar. 

Não é somente um preconceito, vale para os dois lados, para quê afrontar, para quê, utilizar-se de uma imagem que para bilhões de pessoas remete ao próprio DEUS ?

 Não se trata apenas de uma  encenação artística, o momento não condiz com o fato  de expor o crucificado, não era e nunca será o momento para tal. O Momento não era de oração, mas de deboche de muitos que por ali passavam, é uma mensagem direta para Igrejas e Crenças. Pessoas são falhas... 

DEUS NÃO!

Um erro não justifica outro, também não se pode generalizar, mas o errado sempre será errado, mesmo que você insista que é o certo!


(Poeta e escritor Jean C. de Andrade)