Escritor e Poeta Jean C. de Andrade

terça-feira, 15 de novembro de 2016

O QUE SINTO...

Poetas são assim:

O que faço é simples: apenas coloco o meu ponto de vista em relação as coisas existentes, apresento o meu entendimento pessoal sobre o que está aí, "flores, vento , água, terra"... Enxergo uma energia inexplicável, todo poeta tem esta mesma percepção, para nós tudo se torna poesia, tudo se torna inspiração, tentamos enxergar além do que a vista alcança, assim observamos detalhes e ficamos maravilhados por tal descoberta...Cores e sons... Como explicar tais devaneios para alguém que não acredita na existência divina? Para quem não sente, não ouve, não vê? Assim, nos escondemos atrás de uma suposta loucura, uma visão, um delírio... Mas vivemos e sentimos intensamente a beleza e a energia que Deus nos proporciona através destes presentes, pois enxergando e sentindo, percebemos o maior dos milagres, a vida...

"Enxergamos além do que os olhos veem"


#escritorjeanandrade

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Cuidado com a Internet:



A internet veio para somar, para auxiliar na evolução do ser humano, é uma ótima ferramenta, quando usada com sabedoria. Mas quando observamos que há utilização da internet por pessoas totalmente desprovidas de sensatez, percebemos o perigo que ela se torna.  

Sim, um perigo enorme, são acusações sem nenhuma certeza, palavras atribuídas a alguém que nunca ás disse, fatos inexistentes que são apontados a pessoas que nem sabem do que se trata. Vejo isto o tempo todo e me preocupo seriamente. Imagens denunciando alguém por um fato criminoso, mas que este alguém nem de longe teria ligação. 

São famílias destruídas por uma obsessão em compartilhar o boato da vez. Isto é muito grave e deve ser combatido, pois estamos falando de vidas, algo que pode ser de uma hora para outra, destruída por alguém sem o mínimo de caráter. Em um programa de TV que não me recordo no momento, ouvi um pensamento do Padre Fábio de Melo: 

“Estamos vivendo as semelhanças da era medieval, onde pessoas eram amarradas e expostas em praça pública para que fossem atacadas e humilhadas publicamente, é o mesmo que acontece em tempos atuais, só que a praça pública se chama internet”. 

#escritorjeanandrade




segunda-feira, 17 de outubro de 2016

OPINIÃO DE PESO:


Quando votamos em alguém, seja para Prefeito ou vereador, votamos para que este alguém nos represente dentro do órgão público, é a nossa voz lá dentro, é a nossa participação na preparação de uma cidade melhor. Será uma pessoa que me representará dentro da câmara ou prefeitura, se tal pessoa em quem votei não for capacitada ou se houver nele(a) a ausência da ética e da honestidade, serei o único culpado por não ser bem representado, nunca conseguiremos algo para um bem comum. Tudo será em vão, não teremos voz ativa, não teremos participação, não seremos ouvidos... Nossa cidade ficará da mesma forma que sempre esteve.
Ficaremos mais quatro anos olhando para o nada e isto não nos favorecerá!

Um vereador não precisa somente de uma caneta, realmente: ele precisa ter ética, bom senso, estudo, ser conhecedor das leis que regem o município, saber dialogar a favor de seu povo, não usar seu cargo como engrandecimento pessoal, deve ser educado e prestativo, ele não deve agir como uma autoridade acima dos demais habitantes do município, um vereador deve formular projetos para melhoria de seu povo. Além das votações, os vereadores também têm o poder e o dever de fiscalizar a administração, cuidando da aplicação dos recursos e observando o orçamento. Ou seja, é dever deles acompanhar o poder Executivo, principalmente em relação ao cumprimento das leis e da boa aplicação e gestão do dinheiro público. Câmara de vereadores não é cabide de empregos, é algo sério e você eleitor tem o dever de eleger pessoas capacitadas para fiscalizar o que será feito com o dinheiro público. Não eleja uma cadeira que será vaga na CÂMARA!


#escritorjeanandrade 



sábado, 15 de outubro de 2016

AMIZADE E POLÍTICA:


Vejam que interessante: Na política, o termo "amigo" se perde, pois tudo se mistura e se confunde. Chama-se de "amigo" aquele que faz parte do mesmo grupo político, que compartilha das mesmas ideias, politicamente falando.
É justamente aí que a confusão acontece. Não podemos gostar de alguém por pressão, por medo ou por dever.

Na essência da amizade encontra-se justamente a liberdade, o bem-querer, o gostar da pessoa sem pedir nada em troca. Aliado ao respeito e a compreensão. Vejam só: “O querer bem, muitas vezes compreende atitudes firmes e negativas”.

Quando, por exemplo: “percebemos que um amigo nosso está caminhando em direção a um buraco, deixaremos ele cair? Claro que não! Vamos alertá-lo para mudar a rota.
Se mesmo assim ele insistir: Se nós sabemos que ele vai cair, não devemos dizer o que pensamos? Devemos sim, mas se ele insiste, deixemos que vá, mas não necessariamente precisamos ir com ele.
Estaremos aqui do lado de fora para socorrê-lo, se necessário for. Não deixaremos de ser amigos, pois a amizade é maior que tudo isto.

Na política, agir assim costuma ser algo impossível. Se contrariamos, se agirmos firmemente em sentido contrário à ideia do nosso "amigo", seremos considerados “não-amigos”, mas adversários.
No grupo político, não há a liberalidade natural da amizade. Um não está ali porque gosta, porque admira. Está ali porque é apoiador do mesmo projeto político, é peça do jogo, portanto é natural que haja uma subordinação às estratégias do projeto.

Mas neste embrulho de confusões, devemos manter a serenidade e cultivar as amizades que temos, uma ideia ou ideal político não pode ser mais importante que o bem-querer entre dois seres humanos!


#escritorjeanandrade

Opinião Pessoal:

"Se fôssemos mais flexíveis com as discordâncias, logo destruiríamos a soberba de que somos os donos da verdade e de que ninguém sabe mais do que nós. Não deveria ser tão estranho alguém discordar de nós, até porque ninguém é obrigado a concordar com tudo nem com todos. Ainda bem que o concordar é relativo à força da persuasão! Há de se convencer alguém a concordar com você, e isso não é tão simples assim. Posso até conviver com você, mas nunca estou obrigado a concordar com seus pensamentos".





Você terá outra visão:

Experimente visitar um idoso ou enfermo, ao menos uma vez por semana: você se esvaziará de toda arrogância ou soberba, se livrará de toda autossuficiência, enxergará o mundo e as pessoas com outros olhos, perceberá que para se viver neste mundo, precisamos um do outro. Como Ministro da Sagrada Comunhão, exerço esta missão há um pouco mais de seis anos, por isso eu digo: Como me é gratificante viver e aprender esta lição!


#escritorjeanandrade



Este sou eu:

Tenho muito orgulho dos ensinamentos que obtive, a vivência que adquiri no decorrer dos anos me trouxeram até aqui, intacto, incorruptível. Foram ensinamentos éticos e essenciais para o meu crescimento. Adquiridos através de meus pais, eles que fizeram questão de me ensinar o valor de ser bom e correto, que o nosso nome é algo muito importante, que devemos ter o cuidado para não o sujar. Hoje tenho orgulho da honestidade que carrego, da sinceridade de minhas palavras, pois ser verdadeiro e ir contra as coisas erradas, me torna ás vezes, o alvo. Mas não me assusto e tão pouco me acovardo, pois se é para estar ao lado da verdade e da ética, pouco me importa os ataques de quem comunga com o erro. Serei verdadeiro e sincero comigo e com os outros, sempre, no que disser ou fizer.


#escritorjeanandrade


quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Resenha do Livro Herói sem Valor de Renato Amaral (Jean C. de Andrade)

HERÓI SEM VALOR –LIVRO DE RENATO AMARAL (Jean C. de Andrade)

Herói sem valor é um livro bem interessante: é uma biografia poética, o autor cita fatos de sua vida de forma emocionante, ele expõe a sua vida em metáforas, ás vezes ofensivas, mas entendemos que faz parte de seu sentimento e vivência, pois há alguns palavrões que se misturam as decepções passadas em sua jornada, como homem e caminhoneiro. Com um jeito simples, Renato Amaral conta a sua história e nos emociona a cada linha, apesar de possuir certo tom agressivo, o autor conversa com o leitor de forma poética e reveladora. Ele expõe o seu modo de pensar e isto ás vezes nos assusta, mas nos leva a refletir. Suas maiores mágoas e decepções são relatadas em rimas e metáforas, sua vida particular, um casamento fracassado, um amor não correspondido, o orgulho destruído. Revelações bombásticas, drogas, doenças, perdas significativas. O autor desabafa sobre o seu descontentamento com o governo e com o desrespeito com o ser humano, é relatado de forma firme e sem constrangimento. Diz ele em seu livro que o verdadeiro objetivo de sua escrita: “é tirar um peso de suas costas”, desabafando sobre fatos tristes em que viveu. Lendo este livro: “Herói Sem Valor”, vamos observando o íntimo do escritor e acabamos por conhece-lo por completo, nos emocionamos e nos sentimos próximos e solidários para com ele. Renato Amaral é um caminhoneiro escritor, sendo que a sua experiência no mundo e principalmente nas estradas estão sendo expostas neste livro revelador. Apesar de tantos relatos tristes e ás vezes de forma dura, poderemos conhecer o íntimo de um escritor caminhoneiro, revelando sua poesia e seus maiores sentimentos, o amor e o ódio em uma linha tênue, mas que sempre é relatada de forma inteligente, o que nos fará pensar e respeitar mais a vida que possuímos.

"HERÓI SEM VALOR"


Editora Cabral Universitária


terça-feira, 30 de agosto de 2016

Voto não tem preço, tem Consequências

Um certo alguém um dia falou: "Vereador não precisa somente de caneta" , fazendo alusão ao estudo:

Um vereador não precisa somente de uma caneta, realmente: ele precisa ter ética, bom senso, estudo, ser conhecedor das leis que regem o município, saber dialogar a favor de seu povo, não usar seu cargo como engrandecimento pessoal, deve ser educado e prestativo, ele não deve agir como uma autoridade acima dos demais habitantes do município, um vereador deve formular projetos para melhoria de seu povo. Além das votações, os vereadores também têm o poder e o dever de fiscalizar a administração, cuidando da aplicação dos recursos e observando o orçamento.

 Ou seja, é dever deles acompanhar o poder Executivo, principalmente em relação ao cumprimento das leis e da boa aplicação e gestão do dinheiro público. Câmara de vereadores não é cabide de empregos, é algo sério e você eleitor tem o dever de eleger pessoas capacitadas para fiscalizar o que será feito com o dinheiro público. Não eleja uma cadeira que será vaga na CÂMARA!

(Texto de Jean C. de Andrade)