Escritor e Poeta Jean C. de Andrade

terça-feira, 15 de novembro de 2016

O QUE SINTO...

Poetas são assim:

O que faço é simples: apenas coloco o meu ponto de vista em relação as coisas existentes, apresento o meu entendimento pessoal sobre o que está aí, "flores, vento , água, terra"... Enxergo uma energia inexplicável, todo poeta tem esta mesma percepção, para nós tudo se torna poesia, tudo se torna inspiração, tentamos enxergar além do que a vista alcança, assim observamos detalhes e ficamos maravilhados por tal descoberta...Cores e sons... Como explicar tais devaneios para alguém que não acredita na existência divina? Para quem não sente, não ouve, não vê? Assim, nos escondemos atrás de uma suposta loucura, uma visão, um delírio... Mas vivemos e sentimos intensamente a beleza e a energia que Deus nos proporciona através destes presentes, pois enxergando e sentindo, percebemos o maior dos milagres, a vida...

"Enxergamos além do que os olhos veem"


#escritorjeanandrade

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Cuidado com a Internet:



A internet veio para somar, para auxiliar na evolução do ser humano, é uma ótima ferramenta, quando usada com sabedoria. Mas quando observamos que há utilização da internet por pessoas totalmente desprovidas de sensatez, percebemos o perigo que ela se torna.  

Sim, um perigo enorme, são acusações sem nenhuma certeza, palavras atribuídas a alguém que nunca ás disse, fatos inexistentes que são apontados a pessoas que nem sabem do que se trata. Vejo isto o tempo todo e me preocupo seriamente. Imagens denunciando alguém por um fato criminoso, mas que este alguém nem de longe teria ligação. 

São famílias destruídas por uma obsessão em compartilhar o boato da vez. Isto é muito grave e deve ser combatido, pois estamos falando de vidas, algo que pode ser de uma hora para outra, destruída por alguém sem o mínimo de caráter. Em um programa de TV que não me recordo no momento, ouvi um pensamento do Padre Fábio de Melo: 

“Estamos vivendo as semelhanças da era medieval, onde pessoas eram amarradas e expostas em praça pública para que fossem atacadas e humilhadas publicamente, é o mesmo que acontece em tempos atuais, só que a praça pública se chama internet”. 

#escritorjeanandrade




segunda-feira, 17 de outubro de 2016

OPINIÃO DE PESO:


Quando votamos em alguém, seja para Prefeito ou vereador, votamos para que este alguém nos represente dentro do órgão público, é a nossa voz lá dentro, é a nossa participação na preparação de uma cidade melhor. Será uma pessoa que me representará dentro da câmara ou prefeitura, se tal pessoa em quem votei não for capacitada ou se houver nele(a) a ausência da ética e da honestidade, serei o único culpado por não ser bem representado, nunca conseguiremos algo para um bem comum. Tudo será em vão, não teremos voz ativa, não teremos participação, não seremos ouvidos... Nossa cidade ficará da mesma forma que sempre esteve.
Ficaremos mais quatro anos olhando para o nada e isto não nos favorecerá!

Um vereador não precisa somente de uma caneta, realmente: ele precisa ter ética, bom senso, estudo, ser conhecedor das leis que regem o município, saber dialogar a favor de seu povo, não usar seu cargo como engrandecimento pessoal, deve ser educado e prestativo, ele não deve agir como uma autoridade acima dos demais habitantes do município, um vereador deve formular projetos para melhoria de seu povo. Além das votações, os vereadores também têm o poder e o dever de fiscalizar a administração, cuidando da aplicação dos recursos e observando o orçamento. Ou seja, é dever deles acompanhar o poder Executivo, principalmente em relação ao cumprimento das leis e da boa aplicação e gestão do dinheiro público. Câmara de vereadores não é cabide de empregos, é algo sério e você eleitor tem o dever de eleger pessoas capacitadas para fiscalizar o que será feito com o dinheiro público. Não eleja uma cadeira que será vaga na CÂMARA!


#escritorjeanandrade 



sábado, 15 de outubro de 2016

AMIZADE E POLÍTICA:


Vejam que interessante: Na política, o termo "amigo" se perde, pois tudo se mistura e se confunde. Chama-se de "amigo" aquele que faz parte do mesmo grupo político, que compartilha das mesmas ideias, politicamente falando.
É justamente aí que a confusão acontece. Não podemos gostar de alguém por pressão, por medo ou por dever.

Na essência da amizade encontra-se justamente a liberdade, o bem-querer, o gostar da pessoa sem pedir nada em troca. Aliado ao respeito e a compreensão. Vejam só: “O querer bem, muitas vezes compreende atitudes firmes e negativas”.

Quando, por exemplo: “percebemos que um amigo nosso está caminhando em direção a um buraco, deixaremos ele cair? Claro que não! Vamos alertá-lo para mudar a rota.
Se mesmo assim ele insistir: Se nós sabemos que ele vai cair, não devemos dizer o que pensamos? Devemos sim, mas se ele insiste, deixemos que vá, mas não necessariamente precisamos ir com ele.
Estaremos aqui do lado de fora para socorrê-lo, se necessário for. Não deixaremos de ser amigos, pois a amizade é maior que tudo isto.

Na política, agir assim costuma ser algo impossível. Se contrariamos, se agirmos firmemente em sentido contrário à ideia do nosso "amigo", seremos considerados “não-amigos”, mas adversários.
No grupo político, não há a liberalidade natural da amizade. Um não está ali porque gosta, porque admira. Está ali porque é apoiador do mesmo projeto político, é peça do jogo, portanto é natural que haja uma subordinação às estratégias do projeto.

Mas neste embrulho de confusões, devemos manter a serenidade e cultivar as amizades que temos, uma ideia ou ideal político não pode ser mais importante que o bem-querer entre dois seres humanos!


#escritorjeanandrade

Opinião Pessoal:

"Se fôssemos mais flexíveis com as discordâncias, logo destruiríamos a soberba de que somos os donos da verdade e de que ninguém sabe mais do que nós. Não deveria ser tão estranho alguém discordar de nós, até porque ninguém é obrigado a concordar com tudo nem com todos. Ainda bem que o concordar é relativo à força da persuasão! Há de se convencer alguém a concordar com você, e isso não é tão simples assim. Posso até conviver com você, mas nunca estou obrigado a concordar com seus pensamentos".





Você terá outra visão:

Experimente visitar um idoso ou enfermo, ao menos uma vez por semana: você se esvaziará de toda arrogância ou soberba, se livrará de toda autossuficiência, enxergará o mundo e as pessoas com outros olhos, perceberá que para se viver neste mundo, precisamos um do outro. Como Ministro da Sagrada Comunhão, exerço esta missão há um pouco mais de seis anos, por isso eu digo: Como me é gratificante viver e aprender esta lição!


#escritorjeanandrade



Este sou eu:

Tenho muito orgulho dos ensinamentos que obtive, a vivência que adquiri no decorrer dos anos me trouxeram até aqui, intacto, incorruptível. Foram ensinamentos éticos e essenciais para o meu crescimento. Adquiridos através de meus pais, eles que fizeram questão de me ensinar o valor de ser bom e correto, que o nosso nome é algo muito importante, que devemos ter o cuidado para não o sujar. Hoje tenho orgulho da honestidade que carrego, da sinceridade de minhas palavras, pois ser verdadeiro e ir contra as coisas erradas, me torna ás vezes, o alvo. Mas não me assusto e tão pouco me acovardo, pois se é para estar ao lado da verdade e da ética, pouco me importa os ataques de quem comunga com o erro. Serei verdadeiro e sincero comigo e com os outros, sempre, no que disser ou fizer.


#escritorjeanandrade


quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Resenha do Livro Herói sem Valor de Renato Amaral (Jean C. de Andrade)

HERÓI SEM VALOR –LIVRO DE RENATO AMARAL (Jean C. de Andrade)

Herói sem valor é um livro bem interessante: é uma biografia poética, o autor cita fatos de sua vida de forma emocionante, ele expõe a sua vida em metáforas, ás vezes ofensivas, mas entendemos que faz parte de seu sentimento e vivência, pois há alguns palavrões que se misturam as decepções passadas em sua jornada, como homem e caminhoneiro. Com um jeito simples, Renato Amaral conta a sua história e nos emociona a cada linha, apesar de possuir certo tom agressivo, o autor conversa com o leitor de forma poética e reveladora. Ele expõe o seu modo de pensar e isto ás vezes nos assusta, mas nos leva a refletir. Suas maiores mágoas e decepções são relatadas em rimas e metáforas, sua vida particular, um casamento fracassado, um amor não correspondido, o orgulho destruído. Revelações bombásticas, drogas, doenças, perdas significativas. O autor desabafa sobre o seu descontentamento com o governo e com o desrespeito com o ser humano, é relatado de forma firme e sem constrangimento. Diz ele em seu livro que o verdadeiro objetivo de sua escrita: “é tirar um peso de suas costas”, desabafando sobre fatos tristes em que viveu. Lendo este livro: “Herói Sem Valor”, vamos observando o íntimo do escritor e acabamos por conhece-lo por completo, nos emocionamos e nos sentimos próximos e solidários para com ele. Renato Amaral é um caminhoneiro escritor, sendo que a sua experiência no mundo e principalmente nas estradas estão sendo expostas neste livro revelador. Apesar de tantos relatos tristes e ás vezes de forma dura, poderemos conhecer o íntimo de um escritor caminhoneiro, revelando sua poesia e seus maiores sentimentos, o amor e o ódio em uma linha tênue, mas que sempre é relatada de forma inteligente, o que nos fará pensar e respeitar mais a vida que possuímos.

"HERÓI SEM VALOR"


Editora Cabral Universitária


terça-feira, 30 de agosto de 2016

Voto não tem preço, tem Consequências

Um certo alguém um dia falou: "Vereador não precisa somente de caneta" , fazendo alusão ao estudo:

Um vereador não precisa somente de uma caneta, realmente: ele precisa ter ética, bom senso, estudo, ser conhecedor das leis que regem o município, saber dialogar a favor de seu povo, não usar seu cargo como engrandecimento pessoal, deve ser educado e prestativo, ele não deve agir como uma autoridade acima dos demais habitantes do município, um vereador deve formular projetos para melhoria de seu povo. Além das votações, os vereadores também têm o poder e o dever de fiscalizar a administração, cuidando da aplicação dos recursos e observando o orçamento.

 Ou seja, é dever deles acompanhar o poder Executivo, principalmente em relação ao cumprimento das leis e da boa aplicação e gestão do dinheiro público. Câmara de vereadores não é cabide de empregos, é algo sério e você eleitor tem o dever de eleger pessoas capacitadas para fiscalizar o que será feito com o dinheiro público. Não eleja uma cadeira que será vaga na CÂMARA!

(Texto de Jean C. de Andrade)



segunda-feira, 22 de agosto de 2016

BIOGRAFIA DO AUTOR JEAN C. DE ANDRADE: (Atualizada)

Jean Carlos de Andrade começou a trabalhar como caminhoneiro em 1994, casado, natural de Bom Repouso MG, atualmente reside em Estiva Sul de Minas Gerais: é Professor em Capoeira, Artista Plástico, Escritor e Poeta com vários livros publicados, Jean C. de Andrade faz parte de um Grupo de escritores nacionais que utilizam a internet como ferramenta para divulgação de seus trabalhos, participou de três Antologias, uma delas teve seu lançamento no Salão do Livro, em Genebra na Suíça. 

Seu primeiro livro, Vida de Caminhoneiro, é um relato sobre as suas aventuras na estrada, entre elas está um relato sobre uma breve participação como figurante na série Carga Pesada da Rede Globo. 

Jean Andrade foi convidado em 2012 para apresentar seu livro no Programa Encontro com Fátima Bernardes. Também foi assunto principal no Programa Mais Caminhos da EPTV Globo, no quadro “De Carona na Boleia”.

Em 2014 Jean C. de Andrade foi indicado a ALG (Academia de Letras de Goiás Velho), sendo o primeiro caminhoneiro do Brasil a ser indicado para uma Academia de Letras. Católico Praticante, é Coordenador e Ministro da Eucaristia em sua cidade atual, Estiva MG.


Obras Publicadas: Vida de Caminhoneiro, A Magia da Capoeira, O Espectador dos Milagres de Jesus, Viver em Bom Repouso, Emoções de um Corintiano, Pensamentos Poéticos, A Bela Luna e Compartilhando Poesias.


VISITEM A PÁGINA OFICIAL DO AUTOR:
https://www.clubedeautores.com.br/authors/11605

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Encerra sua participação no teatro da vida encenando o que de fato ele sempre foi, um homem de DEUS! Morre o ator Umberto Magnani

Morreu nesta quarta-feira (27) o ator Umberto Magnani, aos 75 anos. Ele estava internado desde segunda-feira (25) no Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, após sofrer um AVE (Acidente Vascular Encefálico).

Vivendo o padre Romão em ‘Velho Chico’, o ator se preparava para entrar em cena quando passou mal e foi levado às pressas para o hospital. No mesmo dia, ele completava 75 anos.

Nascido Santa Cruz do Rio Pardo, no interior de São Paulo, Umberto Magnani teve extensa trajetória no teatro, televisão e cinema. Muito premiado, ele marcou a dramaturgia nacional como intérprete e, também, como produtor de espetáculos consagrados.

Magnani iniciou sua carreira de ator em 1965, quando ingressou no curso de interpretação da Escola de Arte Dramática - EAD, em São Paulo. No início de sua trajetória profissional, interpretou textos de autores consagrados, como Nelson Rodrigues, João Cabral de Melo Neto, Antônio Callado, e William Shakespeare.
Na TV, Magnani estreou em 1973, interpretando o personagem Zé Luis na primeira versão do clássico ‘Mulheres de Areia’, da antiga TV Tupi. Quando foi para a Globo, participou de novelas marcantes, como ‘Felicidade’, ‘História de Amor’, ‘Por Amor’, ‘Cabocla’, ‘Alma Gêmea’, ‘Mulheres Apaixonadas’ e ‘Páginas da Vida’. Ele também participou de minisséries como ‘Presença de Anita’.

Já no cinema, Magnani atuou em ‘Quanto Vale ou É Por Quilo?’, ‘Cristina Quer Casar’, ‘Kuarup’, entre outros.

Além de atuar, Umberto trabalhou no mundo das artes em diversos órgãos, como na Associação dos Produtores de Espetáculos Teatrais do Estado de São Paulo, na Fundação Nacional de Artes Cênicas, a Fundacen, do Ministério da Cultura; foi também presidente da Comissão de Teatro da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo; membro da Comissão de Reconhecimento dos Cursos de Artes Cênicas em São Paulo do Ministério da Educação; membro do Conselho Diretor do Laboratório Cênico de Campinas e Secretário da Cultura e Turismo em Santa Cruz do Rio Pardo.

(fonte: YAHOO CELEBRIDADES)





Encerra sua participação no teatro da vida encenando o que de fato ele sempre foi, um homem de DEUS!



(Escritor Jean C. de Andrade)

quarta-feira, 20 de abril de 2016

RESPEITO AOS MAIS VELHOS:

Tive um ensinamento muito importante e essencial para o meu crescimento como ser humano, algo que aprendi com os meus pais, “RESPEITO AOS MAIS VELHOS”, respeitar mesmo quando não concordamos com as suas ideias. Devemos respeitá-los, não somente por seu tempo vivido, ou por fatos que por eles foram presenciados, pela história que aconteceu com eles antes mesmo da nossa existência. 

Democracia se dá também ao respeito pela escolha de cada um, quando se ataca um semelhante por suas escolhas, ideias ou crenças, estamos atacando a democracia e fazendo papel de ignorantes diante de uma comunidade inteira.

Ninguém é mais importante que o outro, todos somos filhos de Deus e consequentemente iguais em matéria, logicamente que alguns de nós se destaca pelo alto índice de conhecimento e inteligência, mas continuamos sendo seres limitados.

Estamos neste mundo em busca da perfeição, isto acontece a todo momento, através dos estudos e da própria vivência, adquirimos experiência de vida e também conhecimento, isto tudo através do tempo, sendo que caminhamos rumo à sabedoria.

Creio que neste mundo, por mais conhecimento que adquirirmos, ainda assim nos faltará muito para descobrir.

Nosso aprendizado continuará na próxima vida, pois estamos apenas concluindo uma parte do estágio, humildade é reconhecer que não estamos preparados para algo, ou seja, reconhecer o peso de nosso fardo.

Não é nenhuma vergonha reconhecer nossas limitações, isto é ser humano.

Sempre quando exponho minha opinião, deixo bem claro meu ponto de vista, não me importando assim ser mal compreendido.

Considero cada pessoa importante, alguns com mais inteligência, talvez com mais conhecimento, mas todos fazem parte da mesma espécie.

Mas o conhecimento e a vivência nos dão credibilidade e sabedoria, sendo que recebemos com isto, títulos, seja por formatura, escolha ou eleição.

Será assim um ser com propriedade capaz de liderar outros seres, mas nunca lhe foi dado o direito de se achar maior e mais importante que seu próximo, nunca lhe foi dado o direito de pisar em outra pessoa.

Por aqui passou há dois mil anos atrás, um homem cuja sabedoria se revelava em um nível extremamente superior, tudo ele sabia, suas respostas eram imediatas, talvez até de difícil compreensão, mas era certo e isto causou sua morte, uma morte de cruz.

Ele somente se mostrou muito mais inteligente que os demais de sua época, muitos deles que sustentavam títulos de grande importância, em poucas palavras, que se achavam os donos do mundo, Imperadores, Reis e Sumos Sacerdotes.

Em nenhum momento este homem se fez grande e superior diante das pessoas, não houve um só momento em que ele pisou em alguém, ao contrário, agia como o mais humilde dos seres, sendo que em uma ocasião, lavou os pés de seus amigos, pregou sobre o amor, a igualdade e se fez humilde até o fim.

Respeite as pessoas, veja suas limitações, não deixe que sua arrogância seja maior que a vida de seu semelhante, não deixe seu ego falar mais alto.

Seja humilde de coração, seja grande de mente, adquira sabedoria e faça a diferença, seja a esperança que o mundo precisa, use a sabedoria e a sua inteligência para o bem, respeite quem veio antes de você!

RESPEITE OS MAIS VELHOS!


(Escritor Jean C. de Andrade)


terça-feira, 19 de abril de 2016

DOCE ILUSÃO


Doce hipocrisia que assisto todo dia, governantes corruptos que vejo lá em cima, se aproveitam da bondade da nação, governantes rindo de quem chora e dorme no chão.

Há! Que doce ilusão, pensar que o nosso país logo se livrará da corrupção, condenados e investigados que fazem parte de uma facção, ainda estão lá, tramando e combinando outro modo de enganar a nação.

Eu digo sim eu digo não, por minha família, por minha sogra e por minha parte no mensalão...
Há! Que doce ilusão, ficar assistindo a Presidente se defendendo e achando que ela é vítima do “Petrolão”, há que triste situação, ver milhares de pessoas com vermelho, brigando e fazendo feio, defendendo ladrão.

O dólar subindo, a bolsa inflamando, o filho chorando e povo lamentando...

Nosso dinheiro está acabando...

O que fazer contra este criminoso bando? 

Rezar e torcer para que a justiça se faça e acabe com este desmando, cusparada, achincalhada, deputados dando risada em uma falta de decoro... 

Pelo amor de Deus pedimos uma luz, só nos resta confiar no Juiz Sérgio Moro.


(Jean C. de Andrade) 


sábado, 20 de fevereiro de 2016

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

ÁGUA





Conheça os Livros do autor neste Link: ´
https://www.clubedeautores.com.br/authors/11605 Jean C. de Andrade é autor com vários Livros publicados no Clube de Autores...

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Ensinamentos...


Se Jesus voltasse hoje, iria se surpreender ao ver quantas pessoas deturparam suas palavras e quantos são incapazes de compreender o que ele quis dizer! A palavra sagrada precisa ser decifrada com calma e atenção, não se deve ler simplesmente e levar cada citação ao pé da letra... “Por isso, lhes falo por parábolas; porque, vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem, nem entendem.” (Mt 13:10-13)



Adquira os Livros de Jean C de Andrade neste Link: https://www.clubedeautores.com.br/authors/11605 autor de sete Livros publicados no Clube de Autores... 
Blog Oficial do autor: http://profjeanandrade.blogspot.com/ 

Página Oficial http://www.facebook.com/janadrade

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Mundo Ilusório

Mundo Ilusório

Cansado desta minha vida monótona e sem perspectivas de mudança,
resolvi sair pelo mundo em aventura, sendo assim reclamei á meu
pai a parte que me cabia de minha herança.

Meu pai triste com minha decisão, apenas deixou que uma
lágrima rolasse em seu rosto repleto de emoção.
Deu-me a parte de direito e se despediu desejando boa sorte,
olhando fixamente em seu filho que adentrava o mundo
cheio de ilusão.

Saí de casa sem para trás olhar, nem me importei com meus
pais e meus irmãos que no portão de casa estavam á chorar.

Adentrei em um mundo de aparências, gastando cada centavo
com futilidades de uma realidade de indecências.
Gastando com diversão o dinheiro suado de meu pai, assim
desta maneira, gastei com drogas, mulheres, orgias e bebedeira.

Quando não mais o talão de cheques podia assinar,
percebi que meus falsos amigos, aos poucos
estavam á se afastar.

Hotéis de luxo,eu não mais podia pagar,estava falido,
perdendo cada centavo do dinheiro que de meu pai havia exigido.
Triste decadência, gastei tudo que tinha vivendo uma vida
desregrada, uma vida de aparência.
Agora não tenho mais onde morar, uma simples cama,
não posso pagar, amigos não tenho mais nenhum,
estou só e abandonado neste mundo de ilusão,
moro agora nas ruas da cidade, meu cobertor é um
pedaço de papelão.

Vivo de migalhas, pedindo esmolas, dependendo da
bondade de um e de outro cidadão.
Que saudade de meus pais á quem deixei chorando com emoção,
lá eu era feliz, dormia em minha cama, tomava café e no almoço
nunca faltava o arroz com feijão.

Queria voltar, mas estava cheio de medo,
como dizer que gastei tudo que tinha em futilidades,
á meus pais isto explicar?

Há, meus pais que á anos não vejo mais,
meus irmãos já devem estar adultos, com certeza
nem se lembram que abandoná-los fui capaz.

Envergonhado, resolvi voltar para casa, pedir á meu pai,
perdão, que me aceite de volta, mas como empregado,
lá eu sei que terei um lugar guardado, um almoço e jantar,
algo que meu pai nunca negou a um contratado.

Chegando perto de casa avistei o velho portão,
meu pai estava na varanda, já com a barba branca,
neste momento doeu e bateu forte meu coração,
passou uma vida inteira diante de meus olhos,
como pude trocar meu velho pai por uma vida de ilusão.

Quando meu pai me viu, correndo veio em minha direção,
ajoelhei e pedi perdão, á ele disse que eu havia feito algo sem noção,
queria apenas que ele me aceitasse de volta, mas desta vez eu seria
seu empregado, sendo assim o meu patrão.

Neste momento com um sorriso, ele me puxou dizendo que não,
me abraçou chorando e ao Deus gritou em gratidão, me disse
palavras de amor e depois em minha orelha deu um puxão,
daqueles como quem diz, você menino aprendeu a lição.

Dinheiro a gente ganha outro, mas a vida e a alma é uma só,
sendo assim você preservou a sua reconhecendo seu erro e
voltando para o seu paizão.

Ouvindo meu pai, meus olhos choraram de emoção,
de repente vinham correndo minha linda mãe juntamente
com os meus amados irmãos.

No momento em que todos me abraçaram e em meio
aos beijos de saudade, percebi a grande riqueza
que sempre tive em minha mão, não era o dinheiro
e muito menos aquela vida de ilusão, simplesmente
era o amor de meus pais e também de meus irmãos.


(Jean C. de Andrade) - Livro Compartilhando Poesias